Leão com câncer em estágio terminal se despede de sua cuidadora: ‘É como uma mãe pra ele’

Há cerca de três anos, Júpiter, um leão que passou a vida sendo uma atração de circo, sujeito aos mais diferentes tipos de maus-tratos, foi resgatado pela cuidadora Ana Julia Torres, que o levou para o Refúgio Villa Lorena, na Colômbia, onde ele poderia viver seus últimos anos com mais conforto e segurança.

O felino não tinha garras e desconfiava tanto dos seres humanos que acabou desenvolvendo uma fobia em relação ao contato com eles, que mudou radicalmente quando ele chegou aos cuidados de Ana Julia.

A cuidadora mudou a vida de Júpiter: ele deixou de ficar sempre na defensiva e passou a se permitir ter mais contato com os voluntários do abrigo, demonstrando uma surpreendente capacidade de afeto e empatia com a equipe de resgate do local.

Leia também: Paciente com síndrome de Down internado por 37 dias, é curado da Covid: ‘Ele é um vencedor’

No entanto, as autoridades colombianas decidiram que o Refúgio não era o lugar mais adequado para Júpiter. Ele precisaria ser transferido para o zoológico de Los Caimanes, em Montería, Córdoba, para que ele tivesse mais espaço para se deslocar e mais contato com outros animais da sua espécie.

Infelizmente, a decisão não foi a melhor para o grande leão. Depois de quase dois anos sob a tutela do zoológico, Júpiter perdeu tudo o que havia progredido e sua saúde começou a se deteriorar pouco a pouco: agora ele está em estado crítico há mais de um mês, come pouco, tem danos significativos nos rins e fígado, além de anemia.

Segundo Ana Julia, que o visitou várias vezes, Júpiter “está morrendo”. Para tentar recuperar sua guarda, ela entrou com um processo na Justiça na esperança de levá-lo de volta ao seu santuário.

Em meio à saúde deteriorada, o leão ainda tem demonstrado com pequenos gestos que ele ainda quer – e muito! – viver. Recentemente, Ana Julia o visitou em seu habitat e Júpiter, feliz da vida com a visita, a abraçou e a beijou com ternura.

“Estou feliz, depois de 11 meses recebi seus beijos novamente, ele me beijou cinco vezes. Eu o encontrei em pé, divino; Comecei a acariciá-lo e a mimá-lo, disse que o amava”, contou a cuidadora.

Apesar de todos os esforços de Ana, o diagnóstico de Júpiter, que tem 20 anos, é preocupante: ele está sofrendo de câncer de fígado terminal e em breve, irá partir desta para outra. Enquanto esse tempo não chega, o felino terá todo o amor e carinho daquela mulher que ele tem como uma mãe.

Leia também: Criança que teve que amputar as pernas junta R$ 3 milhões para hospital que salvou sua vida

Matéria escrita por Gabriel Pietro em exclusividade para o Solitary Δ.. Siga-me no Instagram clicando aqui.

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

Nina, a cadela pinscher fofoqueira que olha a vizinhança através de um cano
Novo vírus da gripe com ‘potencial pandêmico’ é encontrado na China
Leão com câncer em estágio terminal se despede de sua cuidadora: ‘É como uma mãe pra ele’
Sem turistas para incomodar, onça se acostuma a ‘desfilar’ por passarela no Pantanal