Como funciona o cérebro enquanto sonhamos

Durante o sono, as memórias adquiridas no decorrer do dia ficam em processamento no cérebro. Essa atividade faz parte do ciclo do sono, dividido em duas fases: a NREM, que inicia com a sonolência e vai até o sono profundo; e a REM, estágio com atividade cerebral muito intensa.

A fase NREM corresponde à maior parte do repouso e o movimento dos olhos não é rápido.  Conforme o médico Gabriel Pires, pesquisador do Instituto do Sono: “Nesse período, os sonhos são mais simples e difíceis de ser lembrados”.

Ao entrar no sono REM, o movimento dos olhos é rápido e os sonhos são mais longos, ricos e fantasiosos. De acordo com Pires, sonhamos todas as noites, em todas as fases, mas, mesmo no momento REM, recordamos pouco.

Leia também:

O neurocientista Sidarta Ribeiro, do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, explica que no sono REM, é muito baixo o nível de noradrenalina, neurotransmissor fundamental para ativar a atenção e a formação de memórias.

“Durante a vigília, temos muita noradrenalina e, quando acordamos, praticamente não temos nenhuma”, analisa o neurocientista. “Aquela memória que era forte no sonho fica frágil ao despertar”, enfatiza Ribeiro.

A genética também tem explicação para a lembrança ou esquecimento dos sonhos. Segundo pesquisa japonesa divulgada há pouco, foi identificado que o gene chamado Chrm1 fragmenta o período do sono REM e o seu “colega” Chrm3 diminui o tempo do NREM.

A dupla de genes é responsável por codificar a acetilcolina, neurotransmissor relacionado à memória que atua durante o sono REM. Em testes feitos com camundongos, os cientistas excluíram ambos os genes dos roedores e isso fez com que os animais não apresentassem nenhum sono REM. Como consequência, os camundongos não tiveram nenhum sonho mais vívido.

Veja abaixo cinco técnicas para lembrar do que você sonhou.

  1. Anote

A dica de profissionais é que sempre se registre os sonhos, o que tornará mais ativa a relação com eles. Desse modo, também é possível reconhecer os aspectos comuns e os raros.

  1. Desenhe

Caso você não consiga ter anotações escritas, desenhe formas geométricas, animais, objetos e qualquer outro identificador que surgiu no sonho. O importante é ter referências reconhecíveis para você.

  1. Respire

A melhor prática é escrever os sonhos assim que acordar. As chances de esquecê-los são menores. A dica é não sair da cama rapidamente e olhar o celular. Antes, respire calmamente e anote seus sonhos.

  1. Nomeie

Para definir o que é essencial em cada um, dê um título aos sonhos, além de escrever ou desenhar. Vá criando um bloco de anotações dos sonhos, dessa forma.

  1. Mentalize

Nossa capacidade de sugestão é muito grande. Ao deitar, mentalize: “Eu vou sonhar”. Repita várias vezes esse pensamento, o qual ajuda a indicar para a mente a sua vontade de recordar. Assim, você poderá ter menos dificuldades de lembrar-se dos sonhos.

Leia também:


Gostou da matéria? Compartilhe. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!

Fonte: Revista Galileu

Russo burla companhia aérea e embarca com gato gordinho que estava acima do peso: ‘Ele foi pego’
Pastor Alemão viaja de moto com seus pais: ‘Nós criamos um porta-cães na garupa’
As incríveis ‘bolhas’ transparentes dentro de selva da Tailândia onde você pode dormir
Coruja é resgatada porque estava gordinha demais para voar