Cachorra que seria sacrificada após ser atacada com ácido é adotada no Canadá

Pouco depois de completar sete semanas de idade, a cadela Mugsy foi inexplicavelmente atacada com ácido por seus antigos donos, em um crime até hoje pouquíssimo explicado e investigado pela polícia do Irã, antiga nação persa da Ásia Oriental.

O ataque desfigurou seu rosto – corroendo um olho e desalinhando sua mandíbula.

Com menos de um ano de vida, Mugsy já viu o pior e o melhor da humanidade. Desde o fatídico ataque, ela quase foi sacrificada (uma vez que os veterinários não viam chances de que ela sobrevivesse) e abandonada, até ser resgatada e adotada por uma famíia no Canadá.

View this post on Instagram

Going for a walk makes for big smiles! 😄😄 #mugsy #missmugsy #hapoochi #rescuedog #rescuedogsrule #puppies #puppy #cute #grin #smiles #walkingthedog #dogsofinstagram

A post shared by Mugsy The Smiling Puppy (@mugsyhapoochi) on

Sam Taylor adotou Mugsy após ficar sabendo da sua história através da ONG Loved at Last dog Rescue, uma organização sem fins lucrativos com sede em Vancouver que realoca cães em situação de vulnerabilidade.

“Depois de ler sobre o terrível começo de sua vida e saber que ela precisaria deixar o Irã para ver um veterinário melhor na América do Norte, decidi adotá-la”, disse Taylor.

Leia também: Mulher que recebeu primeiro transplante de rosto nos EUA falece aos 57 anos

Depois de preencher uma burocrática ficha de adoção e concluir uma entrevista por telefone, era apenas uma questão de tempo até que Mugsy fosse levada de Teerã para Vancouver.

“Eventualmente, uma família amorosa se ofereceu para trazê-la para Vancouver”, disse Taylor, que conheceu o filhote no último dia 12 de dezembro.

A cadela estava com uma família provisória que a acolheu após o brutal ataque com ácido. “Os ácidos queimaram grande parte do rosto, orelha, olho esquerdo e ela perdeu o nariz inteiro”, explicou Taylor.

A família, no entanto, não tinha condições financeiras para ajudar Mugsy, de modo que ela foi transferida para as mãos de Taylor.

Os detalhes reais de como os eventos se desenrolaram e quem jogou o material corrosivo na filhote não foram revelados a Taylor pela agência de resgate. A única informação dada a Taylor foi que ninguém naquela família estava envolvido. Taylor ainda está em contato com a família iraniana de Mugsy e os atualiza sobre sua situação.

No Irã, é legal possuir um cachorro. Em 2014, no entanto, vários parlamentares conservadores propuseram um projeto de lei que sujeitaria os proprietários de cães a 74 chicotadas e a uma multa por ter cães em público ou andar de carro.

As autoridades patrulham as ruas prendendo os cães e depois enviando-os para os centros de detenção, para nunca mais serem vistos. Os iranianos são obrigados a ir às ruas com seus animais de estimação tarde da noite, na maioria das vezes em becos para fugir das autoridades.

Após o incidente, Mugsy foi levada a um veterinário em Teerã para ser sacrificada, mas um voluntário da ONG Persian Paws Rescue e Loved at Last dog Rescue interveio para que ela fosse cuidada apropriadamente, acreditando em sua plena recuperação.

Taylor disse que Mugsy é uma cadela feliz e afetuosa, com uma grande personalidade, que abana o rabo e brinca como qualquer outro cachorro.

“Acho que ter Mugsy em minha vida e minha família conhecê-la tem sido muito saudável para nós. Como pessoas, ver esse pequeno animal ter passado por um evento tão horrível, mas ainda assim poder amar e confiar é maravilhoso.”

Mugsy ainda tem um longo caminho para a recuperação.

O médico veterinário Michael King espera consertar o grande buraco existente na passagem nasal de Mugsy, realizando duas cirurgias em breve.

Ele está otimista com o potencial resultado, mas disse que não há garantias de que a situação de Mugsy seja tão única.

Desde o início de sua vida, Mugsy lutou bravamente para subsistir, mas agora que as coisas mudaram para melhor, Taylor espera que sua cachorra possa ser uma embaixadora não oficial dos cães resgatados, para conscientizar a todos sobre o abuso de animais.

É ótimo que Mugsy tenha sorrido sua vida e um anjo como Sam tenha chegado. Não saia sem compartilhar sua história para celebrar o perfeito do imperfeito.

Leia também: Veterinário conforta cadelinha que não parava de chorar após cirurgia

Matéria escrita por Gabriel Pietro em exclusividade para o Solitary Δ.. Siga-me no Instagram clicando aqui.

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

Essas são as 15 raças de gatos mais populares e suas respectivas origens
Fotógrafo captura como são os olhos de alguns dos animais mais distintos da Terra (25 fotos)
Internautas criam grupo para compartilhar as melhores fotos de doguinhos que encontram na rua
Cachorrinho de rua deita em varanda de família para descansar e acaba sendo resgatado